Sucropedia.com - Aš˙car Bruto

By Bento, Luis San Miguel
Posted on 2006-09-18    Last edited on 2010-10-12
http://sacaropedia.com/entradas/E0002


 O açúcar bruto é o produto obtido nas fábricas de cana de açúcar depois de purificação e cristalização do suco extraído da cana do açúcar. No passado, na indústria da beterraba, também se produzia um açúcar bruto de beterraba, como na indústria de cana. Atualmente, produz-se um açúcar de alta pureza diretamente da beterraba sacarina sem necessidade de efectuar um refinação. como na cana do açúcar.

O açúcar bruto também pode ser designado por rama de açúcar ou por açúcar crú.

          Amostra de Açúcar Bruto                                           Análise Típica

 

Produtos___Rama

 

 Polarização

 98,5 oZ

 AçúcaresRedutores

 0,50 %

 Cinzas

 0,30 %

 Humidade

 0,30 %

 Granulometria 
      AM
      CV


0,70 mm
40

 Cor

 4.500 UI

 Cor no cristal

 2.100 UI

 IV

 2,2

 Amido

 120 ppm

 Dextrano

 400 ppm

O açúcar bruto contém, normalmente, entre 97,5  e  99,5 % de sacarose, apresenta uma cor amarelo acastanhada e um tamanho de cristal de cerca de 1 mm de AM (abertura média). Os cristais do açúcar bruto são cobertos por uma camada de xarope que contém a maioria dos corantes do açúcar. Esta camada de xarope é separada do açúcar na Afinação, a primeira etapa da Refinação.O cristal, livre da camada de xarope, designa-se por açúcar afinado.

Nas últimas décadas a qualidade do açúcar bruto  foi melhorada passando de 96 º Pol, nos anos 60 do século XX, para uma Pol superior a 99º, nos açúcar designados por VHP (açúcares de muita alta Pol). Recentemente na Austrália iniciou-se a produção de um açúcar de alta Pol e baixa cor, o açúcar VLC (cor muito baixa) (Burns and Field, 1998). O objetivo da produção do VLC é o de transferir para as fábricas de cana a mioria do processo de purificação. Nas refinarias este açúcar, VLC, é dissolvido, filtrado e cristalizado, evitandos as etapas de Afinação e de Descoloração. A etapa de Recuperação também pode ser suprimida se os xaropes residuais forem usados para a produção de açúcares ou xaropes líquidos ou de açúcares amarelos.

Bibliografia

Bruns P., P.J. Fields, 1998, The very low colour sugar story, Proc. SIT Conf., 117-133
Carreno P.A., 1980, Raw sugar quality standards - A Producers point of view, Proc. SIT Conf., 160-176
Clarke M.A., R.S. Blanco, M.A. Godshall, 1984, Color tests and other indicators of raw sugar refining
          characteristics, Proc. of S.P.R.I. Conf., 2284-302
Godshall M.A., M.A. Clarke, E.J. Roberts, 1987, Large colorant and polysaccharide molecules in raw cane
          sugars, Proc. of S.I.T. Conf., 193-211
O’Shea M.G., P.F. Lindeman, 2001, High Molecular colourants and their impact on the refinability of raw
          sugar. A study of Australian and overseas raw sugars, Proc. of Aust. S.S.C.T. Conf., 23, 322-329
King S.L., 2005, Raw cane sugar quality from producers perspective, Proc. of S.I.T. Conf.,101-109
Meadows D.M.,P.M. Schorn, M.Moodley, S.D. Peacock, A. Bindorf, 2005, South African experiences with
          raw sugar quality, Proc. of S.I.T. Conf., 110-120                 
Murray J.P., F.M. Rungass, 1974, Filtering quality of raw sugar: Mechanisms of starch influence in
          carbonatation, Proc. of I.S.S.C.T., 1296-1306
Paton N.H., 1992, The origin of colour in raw sugar, Proc. of Aust. S.S.C.T. Conf., 14, 8-17


E0002