Cabeçalho

Corantes - Açúcar Bruto

Por Bento, Luis San Miguel
Inserida em 2007-06-16    Actualizada em 2010-11-16

Uma característica importante do açúcar bruto é a sua cor e a distribuição dos corantes nos cristais e na camade de xarope que os rodeiam´.
Considera-se que um açúcar tem boas carcterísticas de refinabilidade quando, após a afinação, a pecentagem de corantes no cristal afinado é baixa, em comparação com a cor total.
O conhecimento do tipo de corantes que permanece no interior do cristal é importantepara se fazer uma avaliação prévia do comportamento do açúcar bruto durante o  processo de refinação.
Usando cromatografia de exclusão molecular, Paton, 1992, observou que a maioria dos compostos corados que ficam retidos nos cristais são compostos de alto peso molecular. Paton estimou que 70 % da cor do açúcar bruto, recentemente cristalizado, sem armazenagem, deriva de compostos de alto peso molecular (medido a 405nm).
Compostos fenólicos, tipo flavonoides, também contribuem para a cor do açúcar bruto. Em açúcares brutos australianos, a concentração destes compostos varia entre 10 e 60 ppm, contribuindo até 30 % para a cor do  açúcar (a pH 7) (Smith and Paton, 1985).
Usando técnicas de GPC (Gel Permeation Chromatography) e um detetor ELS (Evaporative Light Scattering), Bento et al., 1997, demonstrou que os corantes com alto peso molecular têm uma tendência para permanecer no cristal do açúcar depois de afinação.

"Corantes_Crista_1l"

Bibliografia
Bento L.S.M., Pereira M.E., Sa S., 1997, Gel permeation chromatography of sugar
           materials using  spectrphotometric and evaporation light scattering detectors,
           Proc.of S.I.T. Conf., 383-392
Paton N.H., 1992, The origin of colour in raw sugar, Proc. of Aust. S.S.C.T. Conf., 8-17
Smith P., Paton N.H., 1985, Sugar cane flavonoids, Sugar Tech. Rev., 12. 117-142

 E0017




Comente esta entrada
Creative Commons License 247958 visitas desde 2010-10-01 Política de privacidade

Read this entry in english